Newsletter
Receba nossos artigos diretamente no seu email.
Nome
Email
Cadastro manual: Entre em contato
 




 
 
14/10/2012
As horas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo
Das 10 ÀS 11 HORAS
 
 
 

Ó meu amável Jesus, já passou uma hora desde que chegaste a este Horto. O amor adquiriu a primazia sobre tudo, fazendo-Te sofrer ao mesmo tempo, tudo aquilo que os algozes Te farão sofrer durante toda a Tua dolorosa Paixão; antes, supre e chega mesmo a fazer-Te sofrer aquilo que eles não conseguem fazer, nas partes mais íntimas da tua Divina Pessoa.

Ó meu Jesus, vejo que os Teus passos são vacilantes, no entanto queres caminhar. Diz-me, ó meu Bem, aonde queres ir? Ah, já sei: queres ir ao encontro dos Teus discípulos amados. Também eu quero acompanhar-Te, para Te amparar, caso Tu vaciles.

Ó meu Jesus, mais uma amargura para o Teu Coração: eles estão a dormir, e Tu, sempre compassivo, chama-los, acorda-los e, com amor paterno, admoesta-los e recomendas-lhes que vigiem e rezem. Mas, ao regressares ao Horto, trazes conTigo outra ferida no Coração e nesta ferida vejo, ó meu Amor, todas as feridas que Te causam as almas a Ti consagradas que, quer por tentação, por falta de coragem ou por falta de mortificação, em vez de se unirem a Ti, de vigiarem e de rezarem, se entregam a si mesmas e, adormecidas, em vez de progredir no amor para conTigo, recuam. Ó Amor Apaixonado, quanta compaixão tenho de Ti, reparo-Te por todas as ingratidões daqueles que Te são mais fiéis. Estas são as ofensas que mais entristecem o Teu adorável Coração e a Tua amargura é tanta que Te fazem delirar.

Ó Amor sem limites, o Teu Amor, que sentes ferver nas veias, vence tudo e esquece tudo. Vejo-Te prostrado por terra a rezar. Em tudo, procuras glorificar o Pai, ofereces-Te e reparas todas as ofensas que Ele recebe das criaturas. Ó meu Jesus, também eu me prostro, juntamente, conTigo e quero fazer o mesmo que Tu fazes.

Ó Jesus, delícia do meu coração, vejo que a multidão de todos os pecados, as nossas misérias, as nossas fraquezas, os maiores delitos, as ingratidões mais negras, vêm ao teu encontro, caem sobre Ti, esmagam-Te,  ferem-Te,  pungem-Te, e Tu, o que fazes? O sangue que Te ferve nas veias, faz frente a todas estas ofensas, rompe as veias e, como um vasto rio, sai para fora, banha-Te todo, corre por terra e, em troca de ofensas, dás Sangue, e em troca de morte, Vida. Ah, Amor, a que estado Te vejo reduzido! Parece que expiras. Ó meu Bem, doce Vida minha, não morras! Ergue a Tua face desta terra que banhaste com o Teu Santíssimo Sangue! Vem aos meus braços! Faz com que eu morra na tua vez!

Mas, sinto a voz trémula e moribunda do meu Jesus, que diz: “Pai, se é possível, passe de Mim este cálice; porém não se faça a Minha Vontade, mas a Tua”.

É já a segunda vez que ouço o meu Jesus dizer isto. Mas, o que é que me fazes entender ao dizer: “Pai, se é possível, passe de Mim este cálice”? Ó Jesus, vês todas as rebeliões das criaturas; aquele “Fiat Voluntas Tua”, aquele “Seja feita a Tua Vontade”, que devia ser a Vida de cada criatura, vê-lo rejeitado por quase todas as criaturas e em vez de encontrarem a Vida encontram a morte; e Tu, querendo dar Vida a todos ao fazer uma solene reparação ao Pai, pelas rebeldias das criaturas, repetes três vezes: “Pai, se é possível passe de Mim este cálice, que é ver as almas perdidas quando se subtraem da Nossa Vontade. Este cálice para Mim é muito amargo; porém não se faça a Minha Vontade, mas a Tua”.

Mas, ao dizeres isto, a Tua amargura é tanta, que não podes mais, agonizas e estás quase para dar o último suspiro.

Ó meu Jesus, meu Bem, já que estás nos meus braços, quero também eu unir-me a Ti, quero compadecer-me de Ti e reparar-Te de todas as faltas e pecados que se cometem contra o Teu Santo Querer e ao mesmo tempo pedir-Te que, em tudo, eu faça sempre a Tua Santíssima Vontade. A Tua Vontade seja a minha respiração, o meu ar; a Tua Vontade seja a minha palpitação, o meu coração, o meu pensamento, a minha vida e a minha morte.

Mas, não morras! O que farei sem Ti? A quem recorrerei? Quem me ajudará? Tudo acabará para mim! Não me deixes, tem-me conTigo, como Tu quiseres, mas tem-me conTigo, sempre conTigo! Que não aconteça, nem sequer por um instante, ficar separado de Ti! Deixa-me, antes, consolar-Te, reparar-Te, compadecer-Te por todos, porque vejo que todos os pecados, seja qual for a sua espécie, todos pesam sobre Ti.

Por isso, meu Amor, beijo a Tua Santíssima Cabeça. Mas, o que vejo? Todos os maus pensamentos que Te causam horror. Cada mau pensamento é um espinho que fere acerbamente a Tua cabeça. Ah, não é necessária a coroa de espinhos que os Judeus te colocarão! Quantas coroas de espinhos Te colocam sobre a cabeça adorável os maus pensamentos das criaturas, a tal ponto que o sangue escorre por todas as partes, da testa e dos cabelos! Jesus, tenho compaixão de Ti e quereria colocar-Te outras tantas coroas de glória e, para Te aliviar, ofereço-Te todas as inteligências angélicas e a Tua própria Inteligência, para Te oferecer compaixão e reparação por todos.

Ó Jesus, beijo os Teus Olhos piedosos e neles vejo todos os olhares maléficos das criaturas que fazem escorrer lágrimas de sangue pelo Teu rosto. Tenho compaixão de Ti e quereria mitigar a Tua vista, colocando na Tua presença todos os prazeres, que se podem encontrar no Céu e na terra com a Tua união de amor.

Ó Jesus, meu Bem, beijo os Teus Santíssimos Ouvidos. Mas, o que é que ouço? Neles, escuto o eco das blasfémias horríveis, os gritos de vingança e de maledicência. Não há nenhuma voz que não ressoe nos Teus castíssimos ouvidos. Ó Amor insaciável, tenho compaixão de Ti e quero consolar-Te fazendo ressoar neles todas as harmonias do Céu, a voz dulcíssima da querida Mãe, as palavras inflamadas da Madalena e de todas as almas que Te amam.

Jesus, minha Vida, quero beijar ardentemente o Teu Rosto, cuja beleza não há igual. Este é o rosto que os Anjos desejam, avidamente, contemplar seduzidos por tanta beleza. E contudo, as criaturas desfiguram-no com escarros, maltratam-no com bofetões e pisam-no com os pés. Meu Amor, que ousadia! Quereria gritar tanto ao ponto de os fazer fugir! Tenho compaixão de Ti e para reparar estes ultrajes, vou junto da Santíssima Trindade a pedir o beijo do Pai e do Espírito Santo, as carícias divinas das Suas mãos criadoras; vou também junto da Mãe Celeste, para que me dê os Seus beijos, as carícias das Suas mãos maternas, as Suas adorações profundas e ofereço-Te tudo, para Te reparar das ofensas que se fazem ao Teu santíssimo rosto.

Ó meu Bem, beijo a Tua dulcíssima Boca, amargurada por blasfémias horríveis, pela náusea da embriaguez e da gula, por diálogos obscenos, orações mal recitadas, ensinamentos negativos e por tudo aquilo que o homem faz de mal com a língua. Jesus, tenho compaixão de Ti e quero adoçar a Tua boca oferecendo-Te todos os louvores angélicos e o bom uso que fazem da língua tantos cristãos santos.

Meu Amor oprimido, beijo o Teu Pescoço e vejo-o carregado de cordas e correntes, pelas afrontas e os pecados das criaturas. Tenho compaixão de Ti e para Te aliviar ofereço-Te a união indissolúvel das Divinas Pessoas, e eu, fundindo-me nesta união, estendo os meus braços e, formando uma suave cadeia de amor à volta do Teu pescoço, quero afastar as correntes dos apegos que quase Te sufocam e para Te consolar estreito-Te fortemente ao meu coração.

Fortaleza Divina, beijos os Teus Santíssimos Ombros. Vejo-os dilacerados e quase desfeitos com a carne arrancada pelos escândalos e maus exemplos das criaturas. Tenho compaixão de Ti e para Te consolar, ofereço-Te os Teus santos exemplos, os da Mãe e Rainha e aqueles de todos os Santos; e eu, ó meu Jesus, fazendo correr os meus beijos sobre cada uma destas Chagas, quero encerrar nelas as almas, que por causa dos contínuos escândalos foram  arrancadas ao Teu Coração e assim consolidar as carnes da Tua Santíssima Humanidade.

Meu Jesus aflito, beijo o Teu Peito, que vejo ferido pela frieza, tibieza, falta de correspondência e ingratidão das criaturas. Tenho compaixão de Ti e para Te consolar, ofereço-Te o Amor recíproco do Pai e do Espírito Santo, a correspondência perfeita das Três Pessoas Divinas, e eu, ó meu Jesus, mergulhando no Teu Amor, quero reparar-Te para afastar os novos golpes que as criaturas Te lançam com os seus pecados, e tomando o Teu Amor, quero feri-las com ele, para que nunca mais ousem ofender-Te e quero derramá-lo no Teu peito, para aliviar-Te e curar-Te.

Meu Jesus, beijo as Tuas Mãos criadoras. Vejo todas as acções más das criaturas que, como outros tantos cravos, trespassam as Tuas santíssimas mãos; deste modo, Tu ficas trespassado, não com três cravos, como na cruz, mas com tantos cravos, por quantas obras más cometem as criaturas. Tenho compaixão de Ti e para Te aliviar ofereço-Te todas as obras santas, a coragem dos mártires ao derramarem o seu sangue e ao darem a vida por Ti. Enfim, ó meu Jesus, quereria oferecer-Te todas as obras boas para arrancar-Te todos os cravos das obras más.

Ó Jesus, beijo os Teus Santíssimos Pés, sempre incansáveis em busca de almas; neles encerras todos os passos das criaturas, mas sentes que muitas destas Te escapam e gostarias de as deter. Por cada seu passo mal dado, sentes cravar-Te um cravo e Tu queres servir-Te dos seus próprios cravos para as pregar no Teu Amor; e é tal e tanta a dor que sentes e o esforço que fazes, para as cravares ao Teu Amor, que tremes todo. Meu Deus e meu Bem, compadeço-me de Ti e para Te consolar ofereço-Te os passos dos bons religiosos e de todas as almas fiéis, que expõem as suas vidas para salvar as almas.

Ó Jesus, beijo o Teu Coração. Tu continuas a agonizar, não por aquilo que Te farão os Judeus, mas pela dor que Te causam todas as ofensas das criaturas.

Nestas horas, Tu queres dar o primeiro lugar ao Amor; o segundo a todos os pecados, pelos quais Tu expias, reparas, glorificas o Pai e aplacas a Justiça Divina; e o terceiro aos Judeus. Assim manifestas que a paixão que os judeus Te farão sofrer será apenas a representação da dupla Paixão amarguíssima que Te fará sofrer o Amor e o pecado. É por isso mesmo, que eu vejo tudo concentrado no Teu Coração: a lança do amor, a lança do pecado, e aguardas a lança dos Judeus; e o Teu Coração, sufocado pelo amor, padece movimentos violentos, afectos impacientes de amor, desejos que Te consomem e palpitações ardentes, que quereriam dar vida a cada coração.

E é precisamente no coração, que sentes toda a dor provocada pelas criaturas, as quais, com os seus desejos vis, afectos desordenados, palpitações profanas, em vez de aspirarem ao Teu Amor, procuram outros amores. Quanto sofres, ó meu Jesus! Vejo-Te quase a desfalecer, coberto pelas ondas das nossas iniquidades. Tenho compaixão de Ti e quero suavizar a amargura do Teu Coração, triplamente trespassado, oferecendo-Te as delícias eternas e o amor dulcíssimo da Tua querida Mãe, Maria e de todos aqueles que Te amam de verdade.

E agora, ó meu Jesus, faz com que este meu pobre coração tome vida do Teu, a fim de que viva só com o Teu Coração; e em cada ofensa que receberes, faz com que eu esteja sempre pronto a oferecer-Te um alívio, um conforto, uma reparação, um acto de amor constante.

 

Reflexões práticas


Na segunda hora do Getsémani, diante de Jesus, apresentam-se todos os pecados de todos os tempos passados, presentes e futuros, e Ele toma sobre Si todos estes pecados, para dar glória completa ao Pai. Portanto, Jesus Cristo expiou, rezou e no Seu Coração experimentou todos os nossos estados de ânimo sem nunca deixar de rezar. E nós, em qualquer estado de ânimo que nos encontremos, desanimados, obstinados, tentados, rezamos sempre? Nós somos constantes na oração? Damos as penas da nossa alma a Jesus como reparação e como alívio para O podermos imitar, pensando que cada estado de ânimo é uma Sua pena? Como pena de Jesus, devemos colocá-la em seu redor para O compadecer e para O aliviar e se fosse possível dizer-Lhe: “Tu sofreste muito, agora repousa, sofremos nós na tua vez”.

Desanimamos, ou estamos com coragem aos pés de Jesus dando-Lhe tudo aquilo que sofremos para que Jesus encontre em nós a Sua própria Humanidade? Isto é, fazemos nós de Humanidade a Jesus? A Humanidade de Jesus o que fazia? Glorificava o Seu Pai, expiava, impetrava a salvação das almas, e nós, em tudo aquilo que fazemos, encerramos em nós estas três intenções de Jesus, de modo a poder dizer: encerramos em nós toda a Humanidade de Jesus Cristo?

Nas nossas noites, colocamos a intenção de fazer resplandecer nos outros a luz da Verdade? E quando rezamos com fervor, colocamos a intenção de tirar o gelo de tantos corações endurecidos pela culpa?

Meu Jesus, para Te compadecer e Te poder aliviar do abatimento total em que Te encontras, subo até ao Céu e faço minha a Tua própria Divindade, e colocando-a em redor de Ti, quero afastar-Te todas as ofensas das criaturas. Quero oferecer-Te a Tua Beleza para afastar de Ti a torpeza do pecado, a Tua Santidade para afastar o horror de todas aquelas almas que Te fazem experimentar tanta repugnância, porque mortas para a Graça; a Tua paz para afastar de Ti as discórdias, as rebeliões e perturbações de todas as criaturas; as Tuas harmonias para refazer o Teu ouvido das ondas de tantas vozes malvadas. Meu Jesus, desejo oferecer-Te tantos actos divinos reparadores por quantas ofensas Te assaltam, como se quisessem dar-Te a morte, e eu com os Teus próprios actos quero dar-Te vida; e depois, ó meu Jesus, quero lançar uma onda da Tua Divindade sobre todas as criaturas, a fim de que, ao Teu contacto divino, não ousem ofender-Te mais.

Só assim, ó Jesus, poderei compadecer-me por todas as ofensas que recebes das criaturas.

Jesus, doce Vida minha, as minhas orações e as minhas penas se elevam ao Céu, para fazer chover sobre todos a luz da Graça e absorver em mim toda a Tua Vida.

 

 
 
Artigo Visto: 1492 - Impresso: 99 - Enviado: 8
 

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.salvaialmas.com.br

 

Visitas Únicas Hoje: 247 - Total Visitas Únicas: 1670432 - Usuários Online: 57
Copyright 2015 - www.salvaialmas.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por: www.espacojames.com.br/sites