Newsletter
Receba nossos artigos diretamente no seu email.
Nome
Email
Cadastro manual: Entre em contato
 




 
 
19/10/2012
As horas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo
Da meia noite a 01 da madrugada
 
 
 

Da meia-noite à 1 da madrugada

A prisão de Jesus.


Ó meu Jesus, já é meia-noite; sentes que os inimigos se aproximam, e Tu, restabelecido e enxugando-Te o Sangue, fortalecido pelos confortos recebidos, vais de novo ter com os Teus discípulos. Chama-los, exorta-los e toma-los conTigo, e vais ao encontro dos inimigos, querendo reparar com a Tua prontidão a minha lentidão, indolência e preguiça no agir e no sofrer por teu amor.

Mas, ó meu amável Jesus, meu Bem, que cena comovente eu vejo! Encontras por primeiro o Judas desleal, o qual, aproximando-se de Ti e lançando-Te os braços ao pescoço, Te saúda e beija; e, Tu, Amor estremosíssimo, não desdenhas beijar aqueles lábios infernais, abraça-lo e estreita-lo ao Coração, querendo arrebata-lo do Inferno e dando-lhe sinais de novo amor. Meu Jesus, como é possível não Te amar? A ternura do Teu Amor é tanta que deveria arrebatar cada coração a amar-Te, porém não Te amam! E Tu, ó meu Jesus, neste beijo de Judas, suportando-o, reparas as traições, os fingimentos, os enganos sob a aparência de amizade e de santidade, especialmente dos sacerdotes. Afinal, o Teu beijo, manifesta que a nenhum pecador, desde que venha a Ti com humildade, negarás o Teu perdão.

Meu terníssimo Jesus, Tu entregas-Te nas mãos dos Teus inimigos, dando-lhes poder para Te fazerem sofrer aquilo que eles quiserem. Também eu, ó meu Jesus, me entrego nas Tuas mãos, a fim de que, livremente, Tu possas fazer de mim aquilo que mais Te agradar; e, juntamente, conTigo quero seguir a Tua Vontade, as Tuas reparações e sofrer as Tuas penas. Quero estar sempre perto de Ti, para fazer com que não haja nem sequer uma ofensa que eu não repare, amargura que eu não suavize, escarros e bofetões que Tu recebas que não sejam seguidos de um beijo e carícia minha. Nas quedas que darás, as minhas mãos estarão sempre prontas para Te ajudarem a levantares-Te. Deste modo, ó meu Jesus, quero estar sempre conTigo, nem sequer um minuto Te quero deixar sozinho; e para ter maior certeza, mete-me dentro de Ti e eu estarei na Tua mente, nos Teus olhares, no Teu Coração e totalmente em Ti, para fazer com que aquilo que Tu fazes, o possa fazer também eu. Assim, poderei fazer-Te fiel companhia e nada me poderá escapar das Tuas penas, para Te dar, por tudo, a minha retribuição de amor.

Meu amável Bem, estarei ao teu lado para Te defender, para aprender os Teus ensinamentos, para numerar, uma a uma, todas as Tuas palavras. Ah, como desce suave ao meu coração a palavra que dirigiste a Judas: “Amigo, a que vieste?”, e sinto que também a mim diriges a mesma palavra, não me chamando amigo, mas, com o doce nome de filho: – “Filho, a que vieste?”, para que sintas responder-Te: – “Jesus, a amar-Te”. “A que vieste?”, repetes-me quando acordo de manhã; “A que vieste?”, se rezo; “A que vieste?”, repetes-me da Hóstia Santa, quando Te recebo no meu coração.

Que belo chamamento para mim e para todos! Mas, quantos ao Teu “A que vieste?”, respondem: “Venho para Te ofender!” Outros, fingindo não Te sentir, entregam-se a toda a espécie de pecados e respondem ao Teu “A que vieste?”, com o andar ao Inferno! Quanto me compadeço de Ti, ó meu Jesus! Quereria tomar as próprias cordas com as quais, os Teus inimigos, estão para Te prender, para prender estas almas e poupar-Te este sofrimento.

Mas, enquanto vais ao encontro dos Teus inimigos, sinto de novo a Tua voz terníssima que diz: - Quem procurais?”, e aqueles respondem: – “Jesus, o Nazareno”, e Tu respondes-lhes: – “Sou Eu”. Apenas,com estas palavras, Tu dizes tudo e dás-Te a conhecer por aquilo que és, tanto que os Teus inimigos tremem e caem por terra como mortos; e Tu, Amor que não tens igual, repetindo de novo: – “Sou Eu”, chama-los à vida, e Tu próprio Te entregas nas mãos dos inimigos. E eles pérfidos e ingratos, em vez de caírem humilhados e ofegantes aos Teus pés e pedir-Te perdão, abusando da Tua bondade e desprezando as Tuas graças e prodígios, deitam-Te as mãos e com cordas e correntes prendem-Te, amarram-Te, deitam-Te por terra, pisam-Te, arrancam-Te os cabelos, e Tu, com paciência inaudita silencias, sofres e reparas as ofensas daqueles que, apesar dos milagres, não cedem à Tua Graça e se obstinam ainda mais.

Com as cordas e correntes, pedes ao Pai a graça de despedaçar as correntes das nossas culpas e prendes-nos com a doce cadeia do amor. E corriges amorosamente Pedro, que quer defender-Te chegando mesmo a cortar a orelha a Malco; desta forma, queres reparar as obras boas realizadas sem a santa prudência ou que por demasiado zelo caem no pecado.

Meu pacientíssimo Jesus, estas cordas e correntes parecem que comunicam algo de mais belo à Tua Pessoa Divina: a Tua fronte torna-se mais majestosa, a tal ponto de chamar a atenção dos Teus próprios inimigos, os Teus olhos brilham com mais luz, o Teu Rosto Divino assume uma paz e doçura suprema, ao ponto de enamorar os Teus próprios algozes; com as Tuas palavras suaves e penetrantes, ainda que poucas, fá-los tremer, tanto que, se ousam ofender-Te é porque Tu mesmo o permites.

Ó Amor acorrentado e preso, como posso permitir que Tu estejas preso por mim, amando-me assim mais, e eu, Teu pequeno filho, sem correntes? Não, não, com as Tuas mãos Santíssimas prende-me com as Tuas próprias correntes.

Por isso, enquanto beijo a Tua fronte divina, prende todos os meus pensamentos, os olhos, os ouvidos, a língua, o coração, os meus afectos e a mim todo e, juntamente, prende todas as criaturas, a fim de que, sentindo a doçura das Tuas amorosas correntes, não ousem mais ofender-Te.

Meu doce Bem, já é uma hora. A mente começa a adormecer: farei o possível para me manter acordado, mas se o sono me surpreender, fico em Ti para seguir aquilo que Tu fazes, antes fá-lo-ás Tu por mim. Em Ti, deixo os meus pensamentos, para Te defenderem dos Teus inimigos, a minha respiração para comitiva e companhia, a minha palpitação para Te dizer continuamente que Te amo e para Te refazer do amor que os outros não Te dão, as gotas do meu sangue para Te repararem e para Te restituírem a honra e a estima que Te tiraram com os insultos, os escarros e os bofetões. Meu Jesus, abençoa-me e faz-me dormir no Teu adorável Coração e eu, pela Tua palpitação ofegante de amor ou do grande sofrimento, poderei acordar, e assim nunca interromper a nossa companhia; ficamos entendidos, ó Jesus!

 

Reflexões práticas

Jesus entregou-Se prontamente nas mãos dos inimigos vendo nos Seus inimigos a Vontade do Pai.

Nos enganos, nas traições das criaturas, estamos prontos a perdoar como perdoou Jesus? O mal que as criaturas nos fazem, aceitamo-lo como permitido por Deus para o nosso bem? Estamos prontos a fazer tudo aquilo que Jesus quer de nós? Nas cruzes, nos cansaços, podemos dizer que a nossa paciência imita a de Jesus?

Meu Jesus acorrentado, as Tuas correntes prendam o meu coração e o mantenham firme, para que esteja pronto a sofrer aquilo que Tu quiseres.

 

 
 
Artigo Visto: 1475 - Impresso: 49 - Enviado: 16
 

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.salvaialmas.com.br

 

Visitas Únicas Hoje: 247 - Total Visitas Únicas: 1670432 - Usuários Online: 57
Copyright 2015 - www.salvaialmas.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por: www.espacojames.com.br/sites