Newsletter
Receba nossos artigos diretamente no seu email.
Nome
Email
Cadastro manual: Entre em contato
 




 
 
24/02/2008
A besta semelhante a um cordeiro - Pe. Gobbi
O cordeiro, na Sagrada Escritura, sempre foi o símbolo do sacrifício.
 
 
 

A BESTA SEMELHATE A UM CORDEIRO

 

Para conseguir este fim, à besta negra que sobe do mar, vem da terra em auxílio, uma besta com dois chifres semelhantes ao de um cordeiro. O cordeiro, na Sagrada Escritura, sempre foi o símbolo do sacrifício. Na noite do Êxodo, foi sacrificado o cordeiro e, com o seu sangue, foram aspergidos os umbrais das casas dos hebreus para subtraí-los ao castigo, que ao contrário, golpeou todos os egípcios. A Páscoa hebraica recorda este fato todos os anos, com a imolação de um cordeiro, que é sacrificado e consumido. Sobre o calvário Jesus Cristo se imola para a redenção da humanidade, se faz ele próprio nossa Páscoa e se torna o verdadeiro cordeiro de Deus que tira todos os pecados do mundo.

 Jesus Cristo é o filho de Deus vivo, é o Verbo encarnado, é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, porque une na sua pessoa divina a natureza humana e a natureza divina. Jesus, no evangelho, deu de si próprio a sua definição mais completa, dizendo ser a Verdade, o Caminho e a Vida. Jesus é a Verdade, porque nos revela o Pai, nos diz a sua palavra definitiva, leva toda a divina revelação ao seu perfeito cumprimento. Jesus é a Vida, porque nos dá a própria vida divina, com a graça por ele merecida com a redenção, e institui os sacramentos como meios eficazes que comunicam a graça. Jesus é o Caminho, que conduz ao Pai, por meio do Evangelho, que nos deu como caminho a percorrer, para chegar à salvação. Jesus é verdade, porque é Ele- Palavra viva- fonte e sinete de toda a divina revelação.

A Igreja é verdade, porque só a ela Jesus confiou a sua guarda, na sua integridade, todo o depósito da fé. Confiou-o à Igreja hierárquica, isto é, ao Papa e aos bispos unidos a ele. A maçonaria eclesiástica procura destruir esta realidade com o falso ecumenismo, que leva à aceitação de todas as igrejas cristãs, afirmando que cada uma delas possui uma parte da verdade. Ela cultiva o projeto de fundar uma igreja ecumênica universal, formada pela fusão de todos os credos cristãos, entre os quais a Igreja Católica. A igreja é a vida porque dá a Graça e só ela possui os meios eficazes da graça, que são os sete sacramentos. É vida, especialmente porque só a ela foi dado o poder de gerar a Eucaristia, por meio do sacerdócio ministerial e hierárquico. Na Eucaristia, Jesus Cristo está realmente presente com o seu corpo glorioso e a sua divindade. Então a maçonaria eclesiástica, de tantas e enganosas maneiras, procura atacar a piedade eclesial para com o sacramento da Eucaristia. Desta valoriza só o aspecto da ceia, tende a minimizar o seu valor de sacrifício, procura negar a presença real e pessoal de Jesus nas hóstias consagradas. Por isso, foram gradualmente suprimidos todos os sinais externos, que são indicativos da fé na presença real de Jesus na Eucaristia, como as genuflexões, as horas de adoração pública o santo costume de circundar o tabernáculo com luz e flores. A igreja á caminho porque conduz ao pai, por meio do filho, no Espírito Santo, sobre a estrada da perfeita unidade. Como o Pai e o Filho são um, assim deveis ser uma só coisa entre vós. Jesus quis que a sua Igreja fosse sinal, e instrumento de unidade de todo o gênero humano. A Igreja consegue ser unida, porque foi fundada sobre a pedra angular da sua unidade: Pedro e o Papa que sucede ao carisma de Pedro. Então, a maçonaria eclesiástica procura destruir o fundamento da unidade da Igreja, com o ataque traiçoeiro e insidioso ao Papa. Ela urde as tramas da dissensão e da contestação ao Papa; sustenta e premiam aqueles que o vilipendiam e lhe desobedecem; propaga as críticas e as oposições de bispos e teólogos. Desta maneira é demolido o próprio fundamente de sua unidade e assim a Igreja é cada vez mais dilacerada e dividida.

Transformo-vos em testemunhas da Igreja-caminho, e vos torno instrumentos preciosos da sua unidade. Para isto vos dei como segundo compromisso do meu movimento, uma particular unidade ao Papa. Por meio do vosso amor e da vossa fidelidade, o desígnio divino da perfeita unidade da Igreja voltará a resplandecer em todo o seu esplendor. Assim à tenebrosa força que hoje exerce a maçonaria eclesiástica, para destruir Cristo e a sua igreja, eu oponho o forte esplendor do meu exército sacerdotal e fiel, para que Cristo seja por todos amado, escutado, e seguido, e a sua Igreja seja cada vez mais amada, defendida, e santificada. “Nisto, sobretudo, resplandece a vitória da Mulher vestida de sol e o meu Coração Imaculado obtém o seu mais luminoso triunfo.”

 

 
 
Artigo Visto: 3346 - Impresso: 340 - Enviado: 40
 

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.salvaialmas.com.br

 

Visitas Únicas Hoje: 244 - Total Visitas Únicas: 1861252 - Usuários Online: 53
Copyright 2015 - www.salvaialmas.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por: www.espacojames.com.br/sites