Newsletter
Receba nossos artigos diretamente no seu email.
Nome
Email
Cadastro manual: Entre em contato
 

Você está em: O Céu Fala / Catalina / Catalina III



 
 
06/01/2008
Catalina III
 
 
 

  Doença, sofrimento e alívio.

 Na noite do dia 21 minha mãe começou a ter dores muito fortes. Passamos a

noite com a enfermeira, sem descanso algum. Eu me sentia tremendamente abalada

ao ver seus sofrimentos, pedia ao Senhor que me concedesse sofrer essas dores

para aliviá-la, mas entendia que devia sofrê-las ela mesma, para purificar-se.

A única coisa que ela repetia, junto com suas queixas pela dor, era a frase:

“Minha Mãe, minha Mãe!”.

No domingo (22) ela sofria muito e se queixava constantemente. Estando na igreja,

dirigi-me ao Senhor e rezando diante do crucifixo Lhe disse mais ou menos

isto: “Senhor, da Cruz Vos apiedastes da dor de Vossa Mãe. Mas creio que não

A vistes como eu vejo sofrer a minha, em um ‘ai!’ permanente. Eu Vos suplico, Jesus...

que ela viva segundo Vossa vontade, o tempo que quiserdes, mas que não

tenha tanta dor. Apiedai-vos de seus sofrimentos porque cada dor dela é como uma

espada que atravessa o meu coração”. (pedi-Lhe chorando).

O médico tinha lhe receitado um analgésico em gotas. Quando voltei para casa,

dei a ela, mas sei que não foram as gotas mas o Senhor Quem lhe

tirou a dor. Concedeu-me o que Lhe havia pedido em oração. As dores passaram

quase imediatamente e completamente. Não voltou a queixar-se mais até morrer.

O próprio médico estava surpreso com o que acontecera, pois sabia que o medicamento

não teria um efeito tão imediato, tão intenso e prolongado.

A preparação do espírito

Uns dez dias antes de sua morte, enquanto conversava com minha mãe, eu lhe

propus levá-la para a praia para que descansasse uns dias. Mas nesse período ela

começou a me dizer que “via” a tal ou qual pessoa (muitas que já haviam falecido).

Como havia momentos em que perdia a lucidez devido a seu problema hepático,

não levávamos em consideração, até que ela disse ter visto meu irmão Carlos, que

lhe havia contado que no Céu o mar era muito maior e mais lindo que na terra.

Nesse instante me convenci de que ela estava vendo pessoas que já não estavam

neste mundo (porque ela não havia sido informada de que meu irmão havia falecido)

e pensei que era bom que estas almas viessem prepará-la...

No entanto, nos últimos dias, ela também demonstrava que via pessoas que vinham

atormentá-la, que a insultavam e que a maltratavam.

Meu irmão Eduardo lhe disse que eram pessoas que não queriam que ela fizesse

bem sua comunhão e lhe sugeriu que as afastasse dizendo que ela era de Jesus.

Constatamos que ela dormia muito pouco, como se lutando com alguém, despertava

com pesadelos, dizia que afastássemos essas pessoas que a incomodavam.

Diante dessa situação decidimos que durante o dia todo manteríamos ligado o

Canal de Madre Angélica para que ficasse pensando todo o tempo em assuntos

relacionados ao Senhor e em oração. Durante a noite rezávamos o Rosário com ela

em turnos, minha cunhada, meu irmão e eu.

Tentando compreender o porquê destes “incômodos”, lembrei-me que em uma

ocasião ela me havia contado que uma amiga a havia levado a um

adivinho... Suspeitei que era algo que não havia dito em confissão. Pedi ao meu

diretor espiritual que, como sacerdote, a ajudasse. Suponho que ela tenha confessado

o fato, pois desde aquele instante todo incômodo desapareceu. Até seu semblante

mudou, refletia uma serenidade e doçura notáveis, e os amigos que chegavam

para visitá-la diziam que parecia outra pessoa.

Aqui devo fazer um parênteses para pedir a quem ler estas linhas, que se alguma

vez estiveram envolvidos nessas coisas de adivinhação, tarô, magia ou bruxaria,

que faça uma boa confissão, porque nunca nos damos conta daquilo com o

que estivemos brincando e das conseqüências que pode trazer para nossa vida.

Jesus, presença sempre viva

No dia 23, durante minhas orações, o Senhor, sabendo que me sentia muito sozinha,

falou e me disse:

- Minha querida, aqui estou, atendo ao teu chamado, mas nem por um instante te

abandonei... Estás aparentemente só, Eu estou contigo.

Pensa em Minha angústia no horto, Eu Me sentia só.

Tens medo? Eu também tive.

Precisas falar com alguém? Fala Comigo.

Precisas de uma mão que te acaricie? Aqui tem as Minhas.

Precisas de um ombro no qual chorar? Chora no Meu e Eu secarei tuas lágrimas

com Meus beijos... Tuas lágrimas se confundirão com as Minhas. Não sou indiferente

aos teus sofrimentos.

Queres companhia para rezar? Aqui tens os Santos e Meus Anjos... Oferece-me a

paciência nesta vida de desterro e assim, cada vez que Eu te procurar, fiques livre

de toda tristeza e possas gozar de uma grande paz interior.

Coloca tudo o que é teu somente no Meu Divino Querer. Deixa-te levar pelo meu

Espírito Santo e agradece Suas generosas dádivas...

(Então, como é meu costume, perguntei ao Senhor se Ele estava em mim e eu Nele.

Assim me respondeu)

- Sim, tu em Mim e Eu em ti, mas lembra-te disso a todo momento. Agora reza o

Salmo 121...

Primeiro, a vontade de Deus

No dia 25 eu estava muito esgotada pelo sofrimento interior, com medo de sofrer

mais. Então, comecei a ouvir a voz da Virgem Maria:

- Não deveis temer o sofrimento, porque o temor evita fazer a Vontade Divina.

Antes de tudo, deveis aceitar a Vontade de Deus, tanto se vos envia acontecimentos

felizes, como difíceis ou desagradáveis.

Deveis pedir por um Espírito de permanente oração para viver vossa existência

com coragem, por amor ao Senhor, inclusive quando vos parece amarga e cheia de

sofrimentos.

Infelizmente, há muitos filhos Meus que buscam uma coisa e outra e quando as

conseguem descobrem que não lhes trouxeram a felicidade que esperavam...

Que tristeza sente Meu Coração materno quando se queixam das pessoas ao seu

redor e do lugar em que lhes coube viver. Estes filhos, em qualquer

circunstância e com quem for, sentirão o mesmo, porque a mudança deve vir de dentro

de si mesmos.

Pensai que somente o domínio das faltas, o desapego ao “eu”, deverá levar-vos ao

caminho da santidade. Não façais pacto com vossos erros mas atacai-os praticando

esforçadamente a virtude oposta. Preocupai-vos com os outros e esquecei um pouco

mais de vós mesmos. Detestai o pecado pelo que ele verdadeiramente é: ofensa a

Deus e derrota pessoal.

Minha querida, refugia teus sofrimentos no regaço de tua Mãe celeste; Eu nunca

te abandono, e peço por tua fortaleza. Pensa em São João Batista e, como ele, bendiz

o ventre materno no qual o Altíssimo colocou Seu olhar cheio de Amor.

Paz, paz, paz... Pede ao Senhor que te conceda o dom da paz em todo instante.

Assim foi que com muito amor, aproximei-me de minha mãe e, colocando minha

mão sobre seu ventre lhe disse: “Mãezinha, bendito seja o teu ventre, porque aqui

Deus pousou Seu olhar cheio de Amor para que nos trouxeste à vida”.

Beijando-me, ela respondeu: “Bendita és tu, amor de meu amor, porque foste

mãe de teu pai e agora és mãe de tua mãe...” Creio que a herança mais bela que

recebi de meus pais, de ambos, foi ouvir estas palavras deles antes de morrer.

Nessa noite, após minhas orações, ao me despedir de Jesus Lhe disse: “Faço um

trato Convosco, Senhor, troco um pouquinho Vosso Coração pelo meu... Sem dúvida

que saireis perdendo, mas, sabe por que Vos peço isso? Porque se me dais

Vosso Coração, ireis me santificar e ao receberdes o meu, feio, pequeno e indigno,

ao entrar em Vós, da mesma forma ireis santificá-lo...”

 


 
 
Artigo Visto: 2327 - Impresso: 41 - Enviado: 31
 

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.salvaialmas.com.br

 

Visitas Únicas Hoje: 219 - Total Visitas Únicas: 1635030 - Usuários Online: 36
Copyright 2015 - www.salvaialmas.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por: www.espacojames.com.br/sites