Newsletter
Receba nossos artigos diretamente no seu email.
Nome
Email
Cadastro manual: Entre em contato
 




 
 
15/05/2014
Pérolas jogadas aos porcos
Nada é tão terrível quanto um tesouro afundado em um lamaçal
 
 
 
AS PÉROLAS JOGADAS AOS PORCOS
 
Nada é tão terrível quanto um tesouro afundado em um lamaçal. Nada é tão péssimo quanto a corrupção das coisas santas.
Não existe nada mais terrível que ver um grande tesouro afundado em um denso lamaçal. Por isso a advertência do Evangelho: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis aos porcos as vossas pérolas” [1].
A pérola é algo muito precioso. A simples razão ensina ao homem que aquilo que é precioso deve ser guardado, tratado com bastante zelo e cuidado.
Aos porcos, lança-se lavagem, não pedras preciosas; aos porcos, lançam-se as sobras, não aquilo que se tem em alta conta.
No mundo antigo, no entanto, certas pérolas jaziam afundadas na lama e foi o Cristianismo, com a verdade de sua doutrina e o vigoroso testemunho de seus adeptos, que recuperou a razão e a justiça então obscurecidas pelos pecados dos homens.
Em tempos como os nossos, em que um malfadado feminismo prega ódio e desrespeito à religião, nada melhor que lembrar o respeito e a dignidade que a religião cristã devolveu às mulheres “em sua condenação do divórcio, do incesto, da infidelidade conjugal e da poligamia” [2].
O Império Romano foi escolhido por Deus para presenciar a “plenitude dos tempos” [3]. Era o ambiente apropriado para a visita de um Senhor preocupado mais com os pecadores que com os justos [4]. De fato, a situação em que aí se encontravam os homens – e principalmente as mulheres – era degradante.
As leis e escritos da época pressupunham “o direito de abandonar os filhos do sexo feminino” e a “a prerrogativa [dos homens] de determinar às esposas e amantes que praticassem o aborto” [5].
Uma sociedade permissiva como a antiga – em que o divórcio era plenamente acessível e a poligamia amplamente praticada – dava à figura masculina poder de subjugar as mulheres, tornando-as mais escravas que seres humanos de verdade.
Assim se encontrava o mundo antigo – com louváveis exceções, verificadas num e noutro lugar – até a chegada de Nosso Senhor Jesus Cristo. Com Ele, que escolheu uma mulher para ser a mais virtuosa criatura que a terra viria a conhecer; com Ele, que, ressuscitado, apareceu primeiro a mulheres [6].
Com Ele, que, pela boca de São Paulo, abolia todas as distinções entre as pessoas – já não havia mais “judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher” [7], mas todos eram um só em Cristo; com Ele, restaurou-se a esperança à feminilidade então tão suja e obscurecida pelo pecado e pela vileza humana.
Historicamente, é inegável: “a mulher em si mesma (…) nunca foi tão exaltada como no cristianismo” [8].
A tradição cristã impregnou na cultura ocidental a consciência de que a mulher é muito mais que seus atributos físicos e naturais; que a mulher não é um pedaço de carne a ser idolatrado, mas um todo de humanidade através do qual é possível vislumbrar a eterna beleza do Criador.
Ainda hoje, mulheres que aceitaram a doutrina cristã sobre a modéstia dão testemunho da leveza, da delicadeza e da simplicidade da autêntica beleza feminina.
“[A mulher] tem outras belezas muito mais excelentes e nobres: a beleza da sua inteligência, a beleza dos seus sentimentos e, sobretudo, a beleza da sua virtude e do seu caráter. Não se pode prescindir desta beleza espiritual, sob pena de rebaixar e degradar a mulher à condição vil dos irracionais. Seria o mesmo que entregar uma criatura humana, a pretexto de que é composta de carne e ossos, aos cuidados e ao laboratório do veterinário” [9].
Por isso, não é possível olhar para certas reivindicações de movimentos ditos “progressistas” senão com ceticismo e vergonha. Feministas que vão às ruas pelo direito de ser “vadias” ou que se proclamam “prostitutas” podem estar fazendo o que for, menos defendendo a dignidade da mulher.
Rebaixar-se à disposição aparentemente “livre” dos próprios corpos – como se fossem apenas matéria, expor totalmente como se fossem pedaços de carne num açougue –, pedir o “direito” de matarem os próprios filhos que são concebidos em seu ventre – como se esses fossem mera “extensão” de seus membros –, não só é desconsiderar o alto valor que têm as mulheres – muito maior que o preço das pérolas e das joias mais caras! É como entregá-las “aos cuidados e ao laboratório do veterinário”; é transportá-las ao nível dos animais; é, real e lamentavelmente, lançá-las aos porcos.
O que querem essas mulheres é a volta à Antiguidade, no mais horrível e decadente de seus aspectos; a volta ao aborto e ao infanticídio, ao divórcio e à poligamia, à degradação sexual e à permissividade dos costumes… na ilusão de que tudo isso as liberte. Só que a história é uma grande mestra: esses instrumentos que as feministas de hoje consideram “libertadores” são, miseravelmente, as mesmas armas que as prenderam à escravidão noutros tempos.
Não as tornam “mais mulheres”; ao contrário, colocam-nas abaixo de sua própria natureza e vocação; lançam-nas, terrivelmente, aos cães e aos porcos.
Corruptio optimi pessima est, diz um adágio latino. A corrupção dos ótimos é péssima, a corrupção de quem deveria, por sua alta dignidade, ser melhor, é ainda pior que as outras corrupções. A corrupção da mulher, pelo feminismo, deforma-a a ponto de torná-la irreconhecível… como uma pérola escondida em um chiqueiro, como uma joia cujo brilho é ofuscado por uma porção de lama.
Ainda hoje – e especialmente hoje –, ressoam firmes as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis aos porcos as vossas pérolas”. Que as mulheres tomem consciência do grande dom e do alto valor que possuem – e correspondam com coragem à sua dignidade.
Por Equipe Christo Nihil Praeponere
1.  Referências
Mt 7, 6
Rodney Stark. O crescimento do cristianismo: um sociólogo reconsidera a história. São Paulo: Paulinas, 2006. p. 119
Gl 4, 4
Cf. Mt 9, 12-13
Rodney Stark. O crescimento do cristianismo: um sociólogo reconsidera a história. São Paulo: Paulinas, 2006. p. 137
Cf. Mt 28, 9; Mc 16, 9; Jo 20, 11-18
Gl 3, 28
Dom Aquino Corrêa. Elevação da mulher, 9 de dezembro de 1934. In: Discursos, vol. II, tomo II. Brasília, 1985. p. 137
Dom Aquino Corrêa. Concursos de beleza, 27 de dezembro de 1930. In: Discursos, vol. II, tomo II. Brasília, 1985. p. 68-69
 
 
 
Artigo Visto: 1813 - Impresso: 53 - Enviado: 6
 

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.salvaialmas.com.br

 

Visitas Únicas Hoje: 765 - Total Visitas Únicas: 1820527 - Usuários Online: 91
Copyright 2015 - www.salvaialmas.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por: www.espacojames.com.br/sites